AD10S, Maradona !

Dia 25 de novembro de 2020, aos 60 anos, morreu Diego Armando Maradona, um dos mais importantes futebolistas e personagens do mundo esporte.

AD10S, Maradona !

Quero aqui comentar sobre outras facetas do gênio argentino. Falar de suas conquistas, suas habilidades, um símbolo do futebol-arte, já é sabido por todos nós.

Maradona é endeusado por seu povo e por boa parte da América Latina. Assim como, pela cidade italiana de Nápoles, onde teve seu auge na carreira por um clube que mudou de patamar a partir de sua chegada.
Maradona é a figura que personifica que esporte e política sempre se misturaram.  

“Foi mais do que vencer um time de futebol. Derrotamos um país. Dissemos que o esporte nada tinha a ver com as Malvinas, mas sabíamos que, na guerra, morreram muitos argentinos, baleados como pássaros. Aquilo era a vingança.” Frase de 2004, em trecho de sua biografia.


O jornalista, Jamil Chade, sintetizou bem esses aspectos políticos:

“Mas junto com seus dribles vinha sua rebeldia de fazer as perguntas incômodas, de exigir direitos trabalhistas e de chocar o mundo dos ídolos amestrados com sua voz dissonante. Jamais se limitou a entrar em campo e fazer sua parte. Jamais aceitou que deveria se silenciar em temas políticos, por mais contraditórias que fossem suas escolhas”.

AD10S, Maradona !

Cobertura da mídia.

As cenas em Buenos Aires das pessoas em catarse coletiva em plena pandemia se aglomerando para poder estar próximo ao velório do seu maior ídolo. Mostra o quanto, Maradora, é um mito, que transcende o esporte. Bem como, em Nápoles, onde os torcedores foram ao estádio que segundo o prefeito da cidade mudará o nome para, Diego Armando Maradona.

Um homem ao ser entrevistado pela TV, em Buenos Aires, declarou:
 

“ Quando não tínhamos o que comer, Maradona nos deu alegria. Ele se preocupava com os bairros pobres com as pessoas mais humildes. Era um dos nossos. Estou muito triste.” 


Vi também, infelizmente, comparações ufanistas e pachequistas de parte da imprensa televisiva não especializada, comparando por exemplo, a comoção no Brasil pela morte de Ayrton Senna com a comoção na Argentina pela morte de Maradona. São contextos completamente diferentes, incomparáveis. Complexo de vira-latas dos mais bobos. Além, das velhas bizarrices, quem é maior ? Pelé X Maradona, Messi X Maradona? Pelé tem e terá seu lugar na história do nosso país, sua importância para o nosso imaginário e para o mundo. Assim, como Messi está construindo seu legado. Não acredito que esse tipo de comparação acrescenta algo nesse momento. Ao contrário, reforça bairrismos desnecessários.

Anti-herói.

Ouvi comentaristas dizendo que “Maradona poderia ser muito maior se cuidasse do corpo ou se pudesse se comportar de outra maneira. Se tivesse uma mentalidade diferente”. Talvez, pudesse ser diferente, mas não seria o Maradona que conhecemos. O que tornou Diego ser o Maradona, foi seu mundo interno, suas vivências, suas paixões e vulnerabilidades.

Realmente ele não era um atleta “exemplar ou padronizado”, porém, tinha muitas outras características essenciais que lhe ajudaram a ser único. Sua técnica, habilidade e inteligência se sobressaiam a preparação física, por exemplo. Ele foi um líder técnico fortíssimo que contagiava seus companheiros e amedrontava seus adversários. Era corajoso, competitivo e aguerrido. Tinha um carisma e autoconfiança inabalável que beirava a arrogância. Foi muito passional, fiel aos seus companheiros, desleal e carrasco de seus adversários. O maior anti-herói do futebol.

AD10S, Maradona !

Dependência Química.

A dependência química é algo sério, não é fraqueza, falta de vontade, ausência de caráter ou de religião. Isso é julgamento moral idiota. Além das repercussões físicas, a dependência química, leva a muito sofrimento emocional. As crises de abstinência podem ser horríveis, causarem alucinações, delírios, forte agressividade, descontrole, desespero, ideações e comportamentos suicidas. Exige tratamento especializado em longo prazo com muito sacrifício pessoal e familiar. Não é simples, mas é possível tratar. Na maioria dos casos com uso de medicação, psicoterapia envolvendo diferentes profissionais de saúde.

Creio que o alcoolismo, pelo que consta era um dos problemas de Maradona, esse assunto, poderia ser debatido com pais, familiares, nas escolas, nas categorias de base de clubes esportivos. Até porque, o álcool é um droga lícita que circula livremente em toda a sociedade e a publicidade se aproveita disso para faturar. O alcoolismo é um grande problema de saúde pública no Brasil e no mundo. Mais do que julgamentos de toda ordem. Poderíamos aproveitar a triste ocasião para discutir abertamente com todo o respaldo cientifico que temas dessa natureza merecem. Pois, afligem a todos, sejamos ídolos, gênios, pobres, ricos ou anônimos.

AD10S, Maradona !

Diego, humano.

Provavelmente, o Diego de fora dos gramados não conseguiu lidar com a pressão que sofria, com o fanatismo, com a exposição de sua vida, com a fama, com a própria genialidade que o transformou numa figura muito maior do que poderia imaginar seus sonhos infantis. Seus excessos fora dos gramados exemplificam essas suposições.

Eduardo Galeano, escritor uruguaio e amante de futebol, sintetiza como poucos a humanidade desse incrível personagem de carne e osso:

“Diego Armando Maradona era venerado não só por seu prodigioso malabarismo, mas também por ser um deus sujo e pecador, o mais humano dos deuses. Qualquer um poderia reconhecer nele uma síntese ambulante de fraquezas humanas, ou pelo menos masculinas: mulherengo, ganancioso, bêbado, trapaceiro, mentiroso, presunçoso, irresponsável. Mas os deuses não se aposentam, por mais humanos que sejam. Ele jamais poderia retornar à multidão anônima de onde veio. A fama, que o salvou da miséria, o fez prisioneiro“.

 Não importa o que Maradona fez com a vida dele, o que importa é o que ele fez da nossa (frase de autor desconhecido). Obrigado Diego por sua existência !!!

Referências:

https://brasil.elpais.com/esportes/2020-11-25/os-argentinos-que-me-desculpem-mas-diego-maradona-nao-e-so-deles.html

https://brasil.elpais.com/opiniao/2020-11-25/so-maradona-viveu-sentiu-e-sofreu-como-o-povo-que-o-endeusou.html?rel=mas

https://www1.folha.uol.com.br/colunas/ruycastro/2020/11/impossivel-segurar-diego.shtml

***
Abraços …

Até !!!

Gostou? Insira o seu email para receber as atualizações do blog!

No spam guarantee.

I agree to have my personal information transfered to MailChimp ( more information )

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *