Da comunidade Paraisópolis para Itália.

No início do mês passado, entre os dias 01 e 11 de Maio, profissionais do Instituto Rugby para Todos (diretores, psicólogo do esporte, monitor e monitor auxiliar) estiveram na Itália para um intercâmbio esportivo.

A história se iniciou por intermédio do jornalista  italiano, Elvis Lucchesi que há aproximadamente 3 anos veio a São Paulo profissionalmente e conheceu nosso trabalho e as atividades do Instituto Rugby para Todos. Desse encontro surgiu uma matéria para a revista italiana Rugby Club do qual é um dos jornalistas.

Por intermédio de Lucchesi, de organizadores, patrocinadores e parceiros de mídia (Comune di Treviso, Provincia di Treviso, Picapao, Benetton Rugby, Junior Petrarca Padova, Nascimento Turismo, Dysnacon, Loja de Rugby Minirugby.it, Rugby Club Magazine) fomos convidados para um simpósio na cidade de Treviso (Rugby per Tutti: la Sfida Educativa), com outras duas entidades italianas que utilizam o rúgbi como instrumento para educação e inclusão social.

Conhecemos um pouco do trabalho desenvolvido pelo “Una Meta per Crescere“, instituição Romana que promove a inclusão de crianças com síndrome de down através do jogo de rúgbi (Veja no link um vídeo sobre o trabalho desenvolvido por eles http://www.rai.tv/dl/RaiTV/programmi/media/ContentItem-0c4b4a60-2bdd-4c25-a8fa-51f024c95243.html ). A outra entidade que participou do encontro foi o ASR Milano (http://www.asrugbymilano.it/) que possuí um projeto paralelo chamado Milano Carcere, para jovens infratores da região de Milão. Particularmente, me senti honrado por falar ao lado de Fabrício Kobashi de nosso trabalho realizado na comunidade Paraisópolis para pessoas ilustres da cidade de Treviso, de diferentes regiões da Itália, inclusive para alguns membros da direção, comissão técnica e atletas do Benetton Treviso. Pude relatar qual é o  papel da equipe de psicologia do esporte para as crianças e jovens assistidos pelo nosso Instituto.

Clubes

Durante nossa estádia na Itália, além do simpósio  tivemos a oportunidade de conhecer alguns clubes de Rúgbi do Venêto, região italiana com principal tradição na modalidade.  Conhecemos as instalações do Centro Ghirada, local de treinamento das equipes de base do Benetton Treviso principal equipe do país (http://www.benettonrugby.it ). Também na cidade de Treviso, fomos aos campos de treinamento do Trevisium Rugby, time de estrutura modesta mas com grande tradição na formação de jogadores. Estivemos na cidade de Padova para conhecer o Petrarca Rugby (http://www.petrarcarugby.it ) e ficamos impressionados com a estrutura do mesmo com oito campos gramados, estádio, ginásios e academias apenas para as categorias de base. Visitamos a cidade de Villorba para conhecer o Villorba Rugby, clube de menor estrutura, mas com grande tradição nas categorias de base do Rúgbi Italiano (http://www.villorbarugby.it/). Saliento que em todos os clubes que passamos fomos muito bem recebidos. Tivemos a oportunidade de trocar experiências com técnicos, jogadores, gerentes e torcedores dessas agremiações, apesar da surpresa dos mesmos ao constatarem que éramos brasileiros, todos associam nosso país ao futebol e muitos não imaginavam que aqui existe rúgbi.

Jogo

Assistimos ao jogo da Celtic Magners League no estádio Comunale di Monigo, Benetton Treviso X Edimburgh. O time da casa venceu por 31 x 9. A partida que reuniu grande parte das seleções italiana e escocesa, pois os dois times formam a base das duas seleções, foi praticamente uma prévia do que podemos encontrar nas seleções destes dois países na Copa do Mundo que acontecerá em Setembro-Outubro de 2011, na Nova – Zelândia.

Após a partida, tivemos acesso ao  3º tempo (tradicional confraternização após os jogos)  com os atletas, comissão técnica do Benetton Treviso e alguns torcedores ilustres. Para nossa equipe esse momento foi um dos fatos mais marcantes de nossa viagem, pois alguns jogadores que assistiram nossa apresentação vieram conversar conosco sobre nosso trabalho desenvolvido no brasil. Foi um momento de troca de idéias e pudemos também retribuir pelo belo jogo visto pouco tempo antes.

Trofeo Toppolino

O final de semana nos reservou momentos muito especiais. Assistimos ao Trofeo Toppolino, maior evento de rúgbi italiano para crianças e jovens de 6 a 14 anos ocorrido no Centro  Ghirada. Além de equipes de todas as regiões da Itália, havia times da Espanha e até da Rússia. Cerca de 5.600 crianças estiveram presentes no Trofeo Toppolino, sendo que as finais de todas as categorias foi no estádio Comunale di Monigo. Foi um evento com organização exemplar não só para os jovens jogadores que puderam se divertir, mas também para suas famílias que estavam em caravanas com barracas das equipes participantes.

Uma das regras desse campeonato era que todas as crianças deveriam jogar durante as partidas, independentemente da habilidade o do nível de talento. Esse aspecto é fundamental para o sucesso de um evento dessa magnitude. A competição é algo inerente em nossa sociedade e no esporte não é diferente, porém ela pode ser sadia e ensinar algo, trazer algum valor agregado. Pude perceber que havia um clima competitivo, porém os laços de amizade e companheirismo entre as equipes eram sempre reforçados a todo o momento, pelos pais, pelos treinadores e também pelos árbitros. Esses últimos eram sempre os técnicos das equipes que se enfrentavam, privilegiando a integração entre as mesmas.

Não é a toa que o Benetton Treviso é um clube muito querido na Itália eles valorizam o espírito de equipe, a presença da família e da comunidade nesses acontecimentos e formam atletas com essas características. Muitos jogadores do time principal, que um dia antes estavam no estádio jogando uma partida internacional, circulavam normalmente durante todo o local das competições. Atendiam aos chamados dos fãs, tiravam fotos, conversavam com as famílias, com os treinadores, passavam uma impressão de que nossos ídolos não precisam ser inatingíveis. Quer exemplo melhor do que esse para crianças que estão iniciando?

Agradecimentos especiais:

Não posso deixar de manifestar meu agradecimento a pessoas especiais que encontramos na Itália e que nos proporcionaram não só um ambiente agradável e uma atmosfera familiar, mas também nos ensinaram muito sobre a história, a culinária e os locais que visitamos.

Profissionalmente foi muito enriquecedor poder trocar informações com pessoas que participam de projetos sérios e respaldados, similares ao que estou envolvido. Saber de seus resultados, das suas dificuldades e  das diferenças quanto a cultura e metodologia de trabalho. Foi muito importante compreender que o esporte pode ter essa dimensão e atingir populações das mais diversificadas possíveis.

Pessoalmente, muito obrigado aos amigos Elvis Lucchese e sua esposa brasileira a cantora Rosa Emilia Dias que nos surpreenderam com uma visita a sua casa na belíssima Veneza. Agradeço imensamente aos almoços e jantares  espetaculares e as conversar intermináveis de nossos queridos Iolanda Seno e Gian Paolo Carazzo. Não posso deixar de mencionar a satisfação por ter conhecido um casal tão especial como o Sr. Giovanni Patrono e a Sra. Emma Patrono que foram nossos “guias turísticos e historiadores” durante nossa passagem por Treviso.

Esperamos retornar um dia, quem sabe com nossos alunos….

Abraços.

Até!!!

Gostou? Insira o seu email para receber as atualizações do blog!

No spam guarantee.

I agree to have my personal information transfered to MailChimp ( more information )

2 ideias sobre “Da comunidade Paraisópolis para Itália.

  1. Vitor Marques

    Fla,
    Parabéns pelo site e pelo trabalho na comunidade.
    É legal ver esse tipo de trabalho sendo reconhecido em outros países.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *