Arquivo da tag: Adolescência

Crianças e jovens no esporte

meninos-futNessa semana comemoramos, “o dia das crianças”. Muito mais do que uma data para o  consumismo alienado, deveríamos refletir sobre a infância e tudo o que envolve esse universo. Tentarei trazer aqui nesse espaço, algumas reflexões sobre a psicologia no esporte na infância e adolescência. Como ajudar as crianças a desenvolver o gosto pela prática do esporte? Como ser bons pais nesse contexto?

Continue lendo

Ex- ginasta abre seu coração

O post de hoje é diferente, um pouco mais longo do que costumo compartilhar. Quem o  escreveu foi a ex-atleta, Isabella Cêpa, ela conta um pouco da sua trajetória no esporte. Isabella é leitora do blog, têm 18 anos, entrou em contato comigo, trocamos algumas mensagens e prôpus a ela que escrevesse um pouco. Confira!!!

Vale ressaltar a importância do trabalho do psicólogo do esporte nas categorias de base, talvez a nossa principal função no esporte de rendimento é justamente trabalhar na formação dos futuros atletas e dar suporte a grande maioria que não se tornará atleta adulto. Ficam as perguntas: será que as angústias, medos e conflitos de experiências similares com a de Isabella não poderiam ser minimizadas? Quantos talentos foram desperdiçados nas diversas modalidades e ficaram pelo caminho pela simples falta de auxilio psicológico adequado?

***

(Isabella em ação com 11 anos)

Comecei a treinar Ginástica Rítmica numa turma de iniciação em novembro de 2003, eu tinha 10 anos. Uma amiga que já fazia aulas me chamou pra fazer com ela porque eu era muito flexível. Depois de um mês de aulas a professora disse que eu tinha muito talento e me convidou para fazer parte da equipe do Pré-Treinamento (que participava das competições estaduais não federadas).

Continue lendo

Para os pais de jovens atletas

O Blog comemora um ano de atividades. Agradeço aos 25.724 acessos até então, isso me motiva a continuar a divulgar a Psicologia do Esporte e partilhar as minhas idéias.

Para comemorar essa data segue um texto que foi feito em parceria com a Revista Tênis na edição de Dezembro de 2010, veja o link  http://revistatenis.uol.com.br/Edicoes/86/artigo191853-2.asp

****

Como ser um bom pai de tenista. Existe conduta adequada para os pais de jovens atletas? Será que eles podem torcer? Como devem se comportar em torneios? Qual atitude deve ser tomada diante de vitórias e derrotas de seus filhos?

Em seu livro, Andre Agassi dizia que odiava tênis, mas o pai o obrigava a jogar. Além disso, Mike Agassi não conseguia suportar as derrotas do filho e raramente conseguia lhe dar uma palavra de apoio moral depois delas. Ainda assim, Agassi se tornou uma lenda. As irmãs Williams são outro exemplo de como a obsessão de um pai pôde transformar as filhas em grandes atletas, mesmo através de métodos “pouco ortodoxos”. O controverso Richard Williams chegou até a pedir para Venus se aposentar quando ela entrou em má fase, por exemplo.

Mas, o caminho trilhado por Agassi e pelas irmãs Williams são exceções e não devem servir como exemplo de conduta para os pais. Tanto que muito mais comuns são os casos em que, diante do mau comportamento dos pais, os filhos acabam tendo problemas para evoluir no esporte (e na vida). Um dos exemplos mais decantados é de Jelena Dokic, que viu o destempero de seu pai, Damir, quase ruir com toda a sua carreira. Continue lendo