Uma história, de mais um Guerreiro…

Você já ouviu falar de Rogério de Souza Dias? Acho que não. Mas pretendo com esse post contar um pouco do cotidiano de um verdadeiro Guerreiro, anônimo do esporte brasileiro.

Rogério de Souza Dias, 38 anos é auxiliar de limpeza na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo. Recebe aproximadamente R$ 500,00 mensais e  trabalha de segunda à sexta das 06:00 às 16:00 horas. Residente no bairro Rio Pequeno região do Butantã, na capital paulista.

Até então, trata-se de um cidadão, um trabalhador digno, comum como muitos brasileiros. Mas, Rogério é um verdadeiro campeão. É literalmente um Guerreiro.

Rogério é atleta de Kung Fu, praticante do sistema Louva Deus 7 estrelas. Discípulo do Mestre Adriano Barros  da Associação Mantis de Kung Fu. O sistema Louva-a-Deus 7 estrelas tem como característica ser objetivo em seus ataques utilizando velocidade e força.

Rogério é o atual Campeão Paulista no estilo Shuai Jiao (Pequim), terceiro colocado em Armas e quarto em Formas. Foi Vice-campeão mundial na etapa Paulista no Mundial de Kung Fu na categoria formas em 2008. Um atleta desconhecido, mas  que possuí resultados surpreendentes, principalmente se levarmos em consideração sua estrutura de treino e seu tempo para tal.

Nosso Guerreiro treina de segunda à sexta na academia e quando possível compete aos finais de semana. Participa somente de campeonatos paulistas e regionais, pois não tem condições financeiras de competir em regiões mais distantes de São Paulo. Pratica o Kung Fu há aproximadamente 12 anos. O Shiau Jiao especificamente há 4 anos. Pretende até dezembro tornar-se faixa preta na modalidade.

Além dos treinos diários na academia onde também é instrutor ( seu Mestre lhe proporciona descontos em sua mensalidade como retribuição de sua dedicação). Rogério aproveita a estrutura da Escola de Educação Física da USP e do CEPEUSP para aprimorar os aspectos físicos, táticos, técnicos até mesmo o psicólogico. Têm o auxilio da professora,  Bianca Bismark (com quem treina Judô semanalmente), dos professores Emerson Franchini e Walter Roberto Correia em cursos (Aulas Práticas no tatame para Alto Rendimento e Defesa Pessoal uma Visão Estratégica).  Procura aprimorar seu conhecimento psicólogico atráves dos livros que retira sobre o tema na biblioteca da Escola de Educação Física.

 Rogério utiliza seu horário de almoço e após o expediente para se aprimorar  e complementar seu treinamento, com aulas de capoeira, de jiujitsu, de judô. Faz musculação com o auxilio do instrutor Aloísio Santos, “Aloha”. Na acadêmia Mantis a atleta e amiga Paula Paoli também lhe ajuda com sua preparação atlética.

Rogério incorporou também a filosofia do Kung Fu e elementos da cultura chinesa ao seu estilo de vida. A essência do verdadeiro Guerreiro é justamente se utilizar dos valores do esporte e da cultura para a vida pessoal.

Shuai Jiao (popularmente conhecido como Judô Chinês).

Shuai Jiao é o estilo mais antigo de Wushu (mais conhecido no ocidente como Kung Fu), podendo-se encontrar na história escrita da China registros da prática de suas técnicas há quase 5000 anos atrás (aproximademente 2700 a. c.), nos tempos do Imperador Amarelo, Huangdi. O termo também é empregado na China para designar práticas modernas de wrestling.

É uma luta corporal que se utiliza de golpes traumáticos, projeções e quedas. Como todos os sistemas de luta chinesa, era originariamente uma luta bastante popular e seus combates não tinham regras específicas, levando eventualmente os combatentes à morte.

O termo Shuai Jiao significa: Shuai = derrubar e Jiao = chifres ou chifrar, desta, forma a tradução pode ser chifres que derrubam ou chifrar e derrubar. A palavra “chifres” remonta a forma mais antiga de Shuai Jiao registrada:  o Jiaoti, que se tratava de um combate sangrento, corpo-a-corpo, onde os lutadores utilizavam capacetes com chifres. Outro termo popular (na China) utilizado para se referir ao Shuai Jiao é Kuaijiao que significa derrubada rápida.

O Shuai Jiao tornou-se um estilo muito rico, com uma estratégia muito elaborada. Shuai Jiao é o resultado de um trabalho árduo e detalhado que se perpetuou através de vários milênios.

O Shuai Jiao foi levado a vários outros países durante a Dinastia Ming (1368 – 1644), e no Japão veio a influenciar os antigos estilos de Jiu-Jitsu dos quais evoluiu o Judô de Jigoro Kano.

Existem vários estilos de Shuai Jiao, porém os mais difundidos são o Mongol (Bokh), o Tianjin, o Beijing (Pequim) e o Baoding.

Atualmente tornou-se um desporto de competição, na China é um dos mais praticados, nas praças, nos parques, bem como outras modalidades e artes marciais.

Fato corriqueiro!!!

Quantas histórias parecidas com a de Rogério existem em nosso país? Milhares. Quantos atletas anônimos? Quantos guerreiros, sem incentivo? Sem uma estrutura adequada? Mas mesmo assim conseguem resultados expressivos com seu talento e principalmente com sua dedicação. Como seria a vida dessas pessoas se tivessem condições adequadas? Se tivessem tempo e recursos para se dedicarem exclusivamente ao esporte que amam?

Infelizmente histórias como a de Rogério são a regra no esporte nacional. É ilusório acharmos que são exceções. Não temos estrutura esportiva, uma base adequada e massificada em muitas modalidades. Isso ocorre em esportes individuais e também em modalidades coletivas. Ao contrário do que se divulga por aí, a imensa maioria de nossos atletas precisam de outras atividades fora do esporte para complementar sua renda e para sobreviver. Nem todos conseguem obter acesso aos recursos governamentais destinados aos esportes. Por isso, todo atleta brasileiro que chega aos campeonatos internacionais sejam esses Jogos Olímpicos ou competições de menor expressão, mesmo que for só para participar,  já são verdadeiros heróis. Por quê o que move essas pessoas a se sacrificarem é o amor pelo esporte que praticam.

OBS: Rogério não tem bolsa atleta. Esse mês será o último em que trabalhará. Ficará desempregado, pois a empresa que terceiriza a limpeza na Escola de Educação Física não irá continuar execuntando os serviços. Consequentemente além da renda, nosso Guerreiro não poderá utilizar a estrutura que encontra no CEPEUSP e na Escola de Educação Física. Lamentável …

Fonte:

http://mantis7stars.blogspot.com/

http://pt.wikipedia.org

Abraços.

Até!!!

Gostou? Insira o seu email para receber as atualizações do blog!

No spam guarantee.

I agree to have my personal information transfered to MailChimp ( more information )

5 pensou em “Uma história, de mais um Guerreiro…

  1. Sady Carlos

    Parabens à reportagem!
    Conheço o Rogério há muito tempo ainda de uma antiga academia onde o mesmo chegou à faixa preta. Também eu fiz o mesmo caminho e trabalho na USP. Foi uma reportagem que motiva outros a seguirem o mesmo caminho – a sempre seguir em frente e lutar pelo seu destino sem importar a idade.

    Responder
  2. Marcia Paula Sjhlander Pires de Camargo

    Gostaria de saber como estah a situacao do guerreiro Rogerio
    Se ainda non arrumou bolsa ou emprego gostaria e ele enviasse
    Curriculum Vitae p tentarmos junto ao Santander
    hugs

    with respects

    Responder
  3. Everton

    Esse não é o único caso. o Sifu Josenir SIlva também pratica Kung Fu a mais de 20 anos, é varias vezes campeão paulista e brasileiro de Shuai Chiao além de ser Vice-Campeão Mundial na modalidade.
    Infelizmente um país que vai sediar as grandes eventos esportivos não dão o reconhecimento necessário para esses grandes atletas.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *